25 de junho de 2024

IPATINGA FC

Site não oficial do Tigre quadricolor de Minas, notícias do futebol mineiro

Exposição de Daiara Tukano no MAR destaca a cultura e a luta dos povos indígenas – Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

7 min read

A beleza e a força do feminino ancestral causam impacto aos olhos de quem observa as pinturas que chegaram ao Museu de Arte do Rio. A primeira exposição individual da artista indígena Daiara Tukano, na cidade do Rio de Janeiro, será inaugurada no MAR, a partir deste sábado (11/5). A mostra “Pamuri Pati – Mundo de transformação” é realizada em parceria com a galeria Millan, de São Paulo, que representa a artista, e ficará em cartaz até o dia 25 de agosto.

Por meio da mostra, Daiara Tukano fala sobre as transformações sociais que podem ser observadas pelas óticas do feminino e do próprio povo indígena. Para ela, isso se dá por uma retomada da “memória ancestral” com a qual a sociedade se reconecta.

– Quero compartilhar um pouco da cultura do meu povo, mas também dessa vivência de luta – afirma a artista.

O Museu de Arte do Rio é um equipamento da Prefeitura do Rio, de responsabilidade da Secretaria Municipal de Cultura, gerido pela Organização de Estados Ibero-Americanos (OEI). A mostra faz uma retrospectiva da carreira da artista, reunindo mais de 70 obras, entre elas pinturas, esculturas e instalações.

A expressão “Pamuri Pati” significa “mundo de transformação”, conceito arraigado na cultura indígena:

– Para nós, os seres do mundo são seres em transformação. O mundo em transformação traz todas essas narrativas desde os petróglifos (representações gravadas pelo homem em pedra ou em rochas), que são as pinturas mais antigas em pedras e cachoeiras – destaca Daiara.

Receber a exposição “Pamuri Pati – Mundo de transformação” é cumprir a missão do MAR de trazer a linguagem e as percepções dos artistas contemporâneos brasileiros. “Viabilizar o acesso à expressão de tanta força e diversidade dos povos indígenas, valorizando a língua, que está na base da conexão social de todos os povos, fortalece o MAR como um espaço aberto e plural, que promove a arte e a cultura”, afirma Leonardo Barchini, diretor da OEI no Brasil.

 

As obras

Daiara avalia que estamos vivendo um bom momento na arte indígena.

– Em função das fortes mudanças climáticas é importante ouvir os povos que sabem se comunicar com a natureza. E a arte indígena cumpre esse papel – enfatiza.

Entre as obras vistas em “Pamuri Pati – Mundo de transformação” estão algumas que fizeram história ao compor Véxoa: Nós sabemos, a primeira exposição com temática indígena contemporânea na Pinacoteca do Estado de São Paulo, em 2020. Espelho da Vida, que esteve em Véxoa, foi exibida na 34ª Bienal de São Paulo, em 2021. A obra, inspirada no manto Tupinambá, que a artista viu por acaso em uma visita a um Museu de Bruxelas, foi costurada por Daiara com plumas artificiais tingidas. Ela acrescentou, ainda, um espelho convexo, em que a imagem refletida nos reflete bem menores do que somos.

A mostra Amõ Numiã, a primeira exposição individual de Daiara Tukano, na galeria Millan (SP), também está contemplada no conjunto de Pamuri Pati – Mundo de transformação. Dali, ela traz as figuras femininas das grandes mulheres que marcam o trabalho dela. São telas que retratam a feminilidade e a força das mulheres, em que a artista lança mão com frequência das formas geométricas e das cores.

Outro destaque da mostra é a obra Festa no Céu, composta por quatro pinturas suspensas que representam os pássaros sagrados gavião-real, urubu-rei, garça-real e arara-vermelha. Para os Tukano, as aves, chamadas de miriâ porâ mahsâ, fazem cerimônia para segurar o céu e impedir que o sol queime a terra fértil. No verso de cada pintura, um manto feito de penas entrelaçadas que remete à tradição dos grandes mantos plumários. A série Kahpi Hori leva ao MAR pinturas acrílicas sobre telas com desenhos em alusão aos traços indígenas e padrões geométricos com cores vibrantes e feixes de luz que dão uma sensação de efeitos 3D. O significado de “Hori” são miragens que se enxergam a partir do Kahpi (nome dado pelos Yepá Mahsâ ao cipó da ayahuasca).

A instalação Maloca, uma grande lona plástica pintada com petroglifos e erguida sobre estrutura de bambu, ocupará a área central da sala expositiva no primeiro andar do pavilhão de exposições do MAR. A peça simboliza os acampamentos indígenas no Rio Negro que nasceram junto com as cidades. A instalação será uma casa, onde as pessoas vão poder entrar e ouvir histórias”, adianta Daiara, que gravará esses relatos e deixará tocando dentro da estrutura de Maloca.

A artista

Daiara Hori Figueroa Sampaio nasceu em 1982, na cidade de São Paulo. Com nome tradicional Duhigô, ela pertence ao clã Erëmiri Hãusiro Parameri do povo Yepá Mahsã, mais conhecido como Tukano. O trabalho dessa artista, comunicadora, ativista dos direitos indígenas e pesquisadora em direitos humanos pesquisa as tradições e a espiritualidade dos Yepá Mahsã. Ela foi coordenadora da Rádio Yandê, primeira web-rádio indígena do Brasil, de 2015 a 2021. Ganhadora do Prêmio PIPA Online 2021 e do Prêmio Prince Claus, da organização holandesa Prince Claus Fund, em 2022, Daiara Tukano foi a artista convidada no 30º Programa de Exposições do Centro Cultural São Paulo, SP, em 2020.

Entre as exposições que Daiara participou estão Dear Earth (2023), na Hayward Gallery, em Londres (Inglaterra); Brasil Futuro: as formas da democracia (2023), no Museu Nacional da República; Histórias Brasileiras (2022), no Masp (SP); Kaa Body – Cosmovision of the rainforest (2021), na galeria Paradise Row, em Londres (Inglaterra); 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto (2021); Véxoa: Nós Sabemos (2020), na Pinacoteca do Estado de São Paulo; Lettre au Vieux Monde (2020), na Galeria Mottattom, em Genebra (Suíça). Em 2022, atuou como curadora da exposição temporária Nhe’é Porã, no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, e que em 2024 chegou ao Museu de Arte do Rio, sobre as línguas indígenas no Brasil. Além disso, a artista tem obras em Véxoa: Nós sabemos, atualmente em cartaz na Galeria de Arte da Universidade Tufts (TUAG), em Massachussets (EUA).

Museu de Arte do Rio

O MAR é um museu da Secretaria Municipal de Cultura do Rio e a sua concepção é fruto de uma parceria entre a Prefeitura e a Fundação Roberto Marinho.

– Nosso papel enquanto museu é incomodar. Gerar experiências que nos tirem do lugar de conforto. Um museu como o MAR é parte do compromisso de nossa gestão com a cultura. Mais do que isso, com a cultura como vetor de inclusão e transformação. Exposições fazem com que as pessoas se vejam refletidas em suas trajetórias e são um convite para que estes espaços sejam também lugar de afeto – ressalta o secretário municipal de Cultura, Marcelo Calero.

Em janeiro de 2021, o Museu de Arte do Rio passou a ser gerido pela Organização de Estados Ibero-Americanos (OEI) que, em cooperação com a Secretaria Municipal de Cultura, tem apoiado as programações expositivas e educativas do MAR por meio da realização de um conjunto amplo de atividades. A OEI é um organismo internacional de cooperação que tem na cultura, na educação e na ciência os seus mandatos institucionais.

– O Museu de Arte do Rio, para a OEI, representa um espaço de fortalecimento do acesso à cultura, ao ensino e à pluralidade intimamente relacionado com o território ao qual está inserido. Além de contribuir para a formação nas artes e na educação, tendo no Rio de Janeiro, com sua história e suas expressões, a matéria-prima para o nosso trabalho – comenta Leonardo Barchini, Diretor da OEI no Brasil.

Em 2024, a OEI e o Instituto Arte Cidadania (IAC) celebraram a parceria com o intuito de fortalecer as ações desenvolvidas no museu, conjugando esforços e revigorando o impacto cultural e educativo do MAR, a partir de quando o IAC passa a auxiliar na correalização da programação.

O MAR é mantido com recursos próprios da Prefeitura do Rio, tendo, igualmente, o Instituto Cultural Vale como mantenedor, a Equinor e a Globo como patrocinadores master e o Itaú Unibanco como patrocinador. São os parceiros de mídia do MAR: a Globo e o Canal Curta. A Machado Meyer Advogados e a Wilson Sons também apoiam o MAR.

O MAR conta ainda com o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, do Ministério da Cultura e do Governo Federal do Brasil, também via Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Outras informações no site do Museu de Arte do Rio.

Serviço:

Pamuri Pati – Mundo de transformação

Museu de Arte do Rio / MAR

Praça Mauá, 5 – RJ

Abertura: 11 de maio, às 11h

Visitação: de 11 de maio a 25 de agosto

Funcionamento: de terça a domingo, das 11h às 18h (última entrada às 17h)

R$ 20 (inteira); R$ 10 (meia) – às terças-feiras com entrada gratuita

Classificação indicativa livre

Categoria:

  • 8 de maio de 2024
  • Marcações: Cultura Daiara Tukano Exposição MAR povo indígena

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    NÃO PERCA